nome aos bois

Cada letra é composta por várias “partes”, que, juntas, completam o corpo de seu desenho tipográfico. Olho, altura, hastes… tudo isso, faz parte do vocabulário do tipógrafo e do designer. Vamos dar nome aos bois?

As letras, os números e os sinais de pontuação são chamados “caracteres”. Eles podem ser maiúsculos (versais ou caixa-alta) ou minúsculos (caixa-baixa). Um alfabeto completo de um só desenho, composto por caixas alta e baixa, por números e sinais de pontuação é chamado “fonte”. As variações de tamanho (corpos) e de estilo (redondo, itálico, negrito etc.) reunidas originam uma “família” de tipos.

A seguir, uma lista de nomenclatura tipográfica:

Abertura: é o espaço vazio aberto em letras como a, c, e, s. As fontes humanistas têm abertura grande, enquanto as realistas e as românticas apresentam abertura pequena.

Altura de versal: distância entre a linha de base e a linha do topo da versal (maiúscula) de um alfabeto. Por exemplo, a altura da letra H.

Altura-x: distância entre a linha de base e a linha mediana de um alfabeto. Corresponde, geralmente, à altura das letras minúsculas sem haste, como x, e ao torso das letras com bojo, como o b.

Bojo: parte mais larga e arredondada da letra.

Bold: variação do desenho da letra em negrito, constitui um traço mais grosso do que a versão regular.

Caixa-alta: variação do desenho da letra em maiúscula, também chamada “versal”. A origem do nome caixa-alta, assim como caixa-baixa (minúsculas), vem da composição tipográfica manual, na qual os tipos eram guardados em gavetas. As maiúsculas ficavam em caixas na parte alta do armário de gavetas. Já as minúsculas, por serem mais utilizadas, localizavam-se na parte baixa do móvel, nas gavetas inferiores, de melhor acesso para o compositor.

Caixa-baixa: variação do desenho da letra em minúscula.

Caracteres: letras, números e sinais de pontuação.

Corpo: o tamanho dos caracteres tipográficos, geralmente expresso em pontos. Por exemplo, corpo 10, corpo 20.

Eixo: o eixo do traço de um desenho de uma letra revela o eixo da pena ou outro instrumento que a desenhou. A linha imaginária entre as partes mais finas do desenho da letra mostra se o eixo é vertical ou inclinado. A inclinação do eixo não significa que a letra esteja em itálico. O eixo humanista, por exemplo, é oblíquo em referência à inclinação natural da escrita manual. Já o eixo racionalista é totalmente vertical.

Entreletra: espaço entre as letras de uma palavra. Em alguns casos, os espaços entre as letras devem ser manipulados à mão até chegar ao equilíbrio visual, mesmo que matematicamente não estejam idênticos.

Entrelinha: espaço entre as linhas do texto. É a distância entre o baseline (linha de base) de uma linha ao baseline da linha seguinte. Para leitura confortável, recomenda-se a relação de dois pontos a mais para a entrelinha em relação ao corpo do texto. Por exemplo: para um texto composto com tipos de corpo 10, aplica-se uma entrelinha de 12 pontos, ou seja, 10/12.

Entrelinha negativa: o corpo do texto é maior do que a entrelinha, por exemplo, 14/12. Dessa forma, as hastes ascendentes e descendentes das letras tocam-se ou intercalam-se no decorrer das linhas.

Entrepalavras: espaço entre as palavras. Quando o texto é alinhado à esquerda ou à direita, a entrepalavra é fixa. Se o texto for justificado, a entrepalavra varia para a melhor acomodação das palavras numa linha.

Extensores: hastes ascendente e descendente das letras.

Família tipográfica: conjunto de fontes de determinado tipo, incluindo todas as variações de estilo, como itálico, negrito, versalete etc.

Fonte: conjunto de caracteres (letras, sinais e números) de determinado tipo. A denominação completa de uma fonte, com variação de tamanhos e estilos, corresponde a uma família tipográfica.

Haste: traço principal da letra que não faz parte do bojo. Por exemplo: a letra “o” não tem haste, enquanto a letra “l” é formada por uma haste.

Haste ascendente: traço que excede para cima da altura-x da letra em caixa-baixa. Por exemplo: t, h.

Haste descendente: traço que excede para baixo da altura-x da letra em caixa-baixa. Por exemplo: p, q.

Itálico: variação do desenho da letra com angulação para direita. Nessa variação, o desenho da letra é redesenhado considerando os espaços estruturais das letras e a inclinação desejada.

Linha de base (baseline): marca a base da letra, onde todas elas repousam. A base das letras sem formas arredondadas, como m, r, f, coincide com a linha de base. Já a base das letras com formas arredondadas, como c, b, o, ou formas pontudas, como v, w, adentram um pouco a linha de base. E, por último, a haste descendente de letras como p e q ultrapassa a linha de base. Visualmente, todas essas variações garantem um alinhamento perfeito.

Linha de fundo: marca o limite inferior da haste descendente de letras minúsculas como p, q.

Linha mediana: marca o topo das letras minúsculas, como a, c, x, e também o torso de letras minúsculas, como b, d, h.

Linha de topo: limite superior das hastes ascendentes de letras minúsculas, como b, d, l.

Linha de versal: marca o topo de letras maiúsculas. A linha de versal não coincide necessariamente com a linha de topo das hastes ascendentes.

Maiúscula: variação do desenho da letra em caixa-alta ou versal.

Minúscula: variação do desenho da letra em caixa-baixa.

Olho: principal forma redonda ou elíptica que define o desenho da letra. Por exemplo: C, G, O na caixa-alta e b, o, p na caixa-baixa. Também pode ser chamado de bojo ou barriga. Dizer que uma letra possui um olho grande é o mesmo que dizer que ela tem uma grande altura-x. Já um olho aberto significa uma grande abertura.

Orelha: pequena parte do desenho da letra que a equilibra e proporciona acabamento. Nem todas as letras possuem orelha – ou bandeira, como também pode ser chamada.

Peso: grau de escuridão, negrito de um tipo. Pode variar do ultra-light ao extrabold. Desenhos de tipos com traços mais grossos imprimem peso maior ao texto, enquanto os traços mais finos permitem leveza.

Serifa: traço ou barra que remata cada haste de uma letra. As serifas variam de acordo com os desenhos das letras. Podem ser uni ou bilaterais, compridas ou curtas, grossas ou finas, abruptas (tangenciando a haste bruscamente, em ângulos) ou adnatas (fluem suavemente a partir da haste ou ao seu encontro), quadradas, triangulares etc.

Sans serif: são as letras-bastão, que não apresentam serifas, chamadas não serifadas.

Terminais: desenhos no final do braço, perna ou bojo das letras. Podem ser circulares, em gota ou pontiagudos.

Tipo: desenho de um caractere tipográfico. Em impressão tipográfica, é a matriz para um caractere de determinada fonte.

Tronco horizontal: traço horizontal principal da letra.

Tronco vertical: traço vertical principal da letra.

Versal: variação do desenho da letra em caixa-alta ou maiúscula.

Versalete: variação do desenho da letra em caixa-alta, com altura da caixa-baixa.

Em um próximo momento, falaremos sobre a classificação dos tipos: a europeia e a norte-americana.

 

Deixe uma resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s