Machado em quatro contos

foto 1-3

Machado de Assis estreia a coleção Contos filosóficos, com quatro livros dispostos no display: A igreja do diabo; Elogio da vaidade; Ideias de canário; e Teoria do medalhão (Sesi-SP Editora).

foto

O mockup inicial, em formato reduzido, e a versão final, impresssa na gráfica

O projeto gráfico, desenvolvido pela Entrelinha, apresenta dois pontos principais para a unidade visual da coleção: aplicação de textura de papéis antigos nas capas e o lettering em grande escala que forma, com os livros dispostos lado a lado no display, o nome do autor: MACHADO. 

Em cada livro, as grandes letras também compõem, na capa e no seu verso, o nome do autor. Portanto, os quatro livros juntos formam o todo, ainda que cada um sobreviva separadamente.

foto 3-2

foto 1-2

foto 3

Para cada título, foi adotada uma cor pantone + preto. A cor é aplicada no miolo de maneira intensa, em contraponto às páginas de texto, que recebem uma baixa porcentagem da cor correspondente.

As cores dos livros – azul, vermelho, verde e rosa – foram também aplicadas no display. A faca desenvolvida acomoda vários exemplares de cada livro e possui, no verso, duas abas para garantir estabilidade. Os livros são vendidos separadamente e o display possibilita o livre acesso a cada título.

foto 3-1

Para ver mais dessa coleção, visite o site da Entrelinha Design, em lançamentos.

a boneca da menina do narizinho arrebitado

Nascida em 1920, a boneca Emília, de Monteiro Lobato, foi – e ainda é – uma referência marcante pra muita gente. Quem não se lembra da boneca de pano espevitada feita de retalhos?

Retalhos?

Sim, essa foi a grande inspiração para criar o projeto gráfico do livro Emília, uma biografia não autorizada da Marquesa de Rabicó, escrito por Socorro Acioli e ilustrado por Wagner Willian (Casa da Palavra), que acaba de ganhar vida.

foto 3 foto 3-2As cores e os retalhos inspirados na boneca tomam conta da capa, das orelhas e das páginas iniciais e finais do miolo, como se o próprio livro fosse também montado com pedaços diferentes de papéis.

As aberturas de cada capítulo mesclam o fundo de retalhos com a ilustração de página inteira, harmonizados na mesma paleta de cor.  foto 1-1

foto 2-1

foto 4foto 2 foto 3-1Para ver mais, acesse o site da Entrelinha Design, em lançamentos.

 

 

haicai do Brasil

1

O livro Haicai do Brasil, organização de Adriana Calcanhotto (Edições de Janeiro) e projeto gráfico de Entrelinha Design, traz impresso em uma cor no miolo e duas na capa, uma seleção de poemas que inspiram um visual minimalista, com tipografia racionalista, sem serifa.

Páginas com fundo cor são intercaladas com as páginas brancas, ilustradas pelo traço da própria organizadora.

25

4

Abaixo, um trecho da apresentação do livro, escrito por Adriana Calcanhotto:

“O haicai foi inventado no Japão e tem origem em formas poéticas chinesas antigas, mais extensas. Aparece na literatura desde o século XII, dos trovadores provençais, mas  foi a partir da obra de Bashô que passou a ser utilizado como forma independente. Matsuo Bashô, o poeta do Japão, elegeu para si a pequena forma, o uso de palavras simples que pedem um estado de contemplação da natureza, de não ego, permitindo ao haijin (quem escreve haicais) capturar um instante, sem explicações, sem conclusões e sem memória. Um instantâneo.

[…]

O haicai do Brasil são dezessete sílabas de invenção e esta antologia não pretende esgotar o assunto senão espalhar o pólen do haicai, oriental, ancestral, moderno, contemporâneo, brasileiro, entre os novos leitores e escritores da poesia do Brasil.”

6

Para ver mais, acesse o site da Entrelinha Design, em lançamento.

tal pai, tal filho. Será?

No livro A coruja, o gato e os filhotes (Ed. Melhoramentos), escrito por Edward Lear e traduzido por Cecília Furquim, o nonsense toma conta da narrativa, na qual o gato e a coruja se apaixonam. Desse casamento, nascem os filhotes, de personalidades diferentes. Mas isso já é outra história.

1

Essa outra história chama-se O fio dos filhotes, uma continuação do livro de Lear, escrita pela própria Cecília Furquim, na qual os filhos são os protagonistas da vez.

O desafio desse trabalho, desenvolvido pela Entrelinha, foi contemplar essas duas histórias, de autores diferentes, num único projeto gráfico.

A solução foi transformar o próprio objeto-livro em personagens das histórias: o livro-pais e o livro-filhote. O livro maior – que conta a aventura dos pais – possui uma bolsa no final para carregar o livro menor, com a história dos filhotes.

Ao término do primeiro livro, o incentivo para continuação da leitura do livro-filhote fica evidente e convidativo.

3

As histórias foram musicadas, em português e inglês, por Beto Furquim, com produção e arranjos de Luiz Waack, na bela voz de Cecília Furquim. O CD está localizado no verso da primeira capa do livro-pais, para ser visto de imediato e ouvido junto com a leitura dos livros.

A paleta  reduzida de cor (verde, rosa, azul e laranja) é aplicada de maneira compassada, sempre na mesma ordem, criando um ritmo visual no miolo. O ritmo-padrão da leitura facilita o acompanhamento da narrativa junto com a música.

2

As belas ilustrações a traço, assinadas por Edith Derdyk, possuem uma dose de nonsense e humor, que dialoga perfeitamente com o texto.

2a

O lançamento será no dia 23 de agosto, sábado, às 15h, na Livraria da Vila – Fradique Coutinho. Estão todos convidados!

image004