Coleção Lobato

A primeira leva da obra reeditada de Monteiro Lobato pela Sesi-SP Editora traz oito livros. Para cada volume, foi convidado um ilustrador. Participaram desse projeto artistas brasileiros e portugueses. Nesse lote, os ilustradores foram: Anabella López, Cátia Vidinhas, David Penela, Guazzelli, Jorge Mateus, José Saraiva e Psonha. O projeto gráfico, criado pela Entrelinha, tem como referência a época áurea dos livros escolares criados por Lobato. O passado histórico foi redesenhado sob um viés contemporâneo.

As publicações dos chamados livros escolares de Lobato (1921 a 1931) foram a base de pesquisa para criação visual dessa coleção. A quarta capa é assinada por Magno Silveira, que deu todo o suporte para a pesquisa iconográfica do projeto.

Na capa, foi escolhida uma tipografia art deco no nome do autor, cujo desenho geométrico é potencializado pelo uso de duas cores. No título, foi aplicada uma tipografia racionalista que cabe para todos os volumes.

Cada livro possui um duo-base de cores trabalhado na capa e no miolo.

A partir das letras ML, foi criado um ex-libris – uma referência da época, conceito de propriedade (este livro pertence a…) –, com espaço para o leitor escrever o próprio nome. Esse ex-libris está impresso na primeira página do miolo.

Aplicação de moldura ilustrada com vinhetas no sumário e captulares marcantes no início dos capítulos – recursos utilizados nos livros escolares do Lobato – também foram transportados para esse projeto.

No miolo, foi aplicada uma tipografia contemporânea e serifada no texto, intercalado por ilustrações de página inteira.

As ilustrações de capa invadem também a quarta capa, trazendo ainda mais o leitor para a cena.

Coleção | Grua Guarda |

Projeto gráfico para a coleção | guarda | da Editora Grua.

O logotipo da editora foi amplamente explorado na quarta capa, parte dele invade a primeira capa apenas para marcar o lettering: título e autor do livro saem da boca da imagem.

Foi aplicado uma textura ao fundo de cor para marcar a passagem do tempo, uma vez que a coleção é composta por livros já publicados anteriormente e renasce com uma nova roupagem. Por outro lado, gerando um equilíbrio no tempo, as cores vivas e saturadas dão o tom de contemporaneidade aos livros.

Cor e tipografia

A paleta de cor consiste num pantone + preto. O branco entra também como “cor”, portanto, o pantone deve garantir boa legibilidade tanto para o texto em preto quanto em branco.

A família tipográfica escolhida para a capa é um tipo contemporâneo. Por meio do alto contraste das astes (peso) faz-se a distinção da hierarquia do título e do autor, numa composição discreta e neutra para atender os diversos livros da coleção.

Parte do grafismo da primeira orelha invade a capa, além de compor com a primeira página do miolo. Esse grafismo foi criado a partir do desenho tipográfico do logo da editora.

A tipografia do miolo é uma serifada com boa legibilidade para garantir conforto na leitura. O livro é impresso em papel pólen.

Lançamento no dia 03/12/19, na Biblioteca Mário de Andrade, das 19h às 21h. Todos convidados!

Prêmio da biblioteca nacional

img_0642

Com imensa alegria a Entrelinha comemora a conquista do prêmio literário da Biblioteca Nacional 2016, com a coleção “Pedro fugiu de casa” (Edições de Janeiro), na categoria Projeto gráfico.

A coleção – editada por Renata Nakano, com texto de Jorge Nóbrega e ilustrações de Guazzelli – contém sete livros encartados em uma luva.

1 234567

Veja mais aqui.

A lista completa dos vencedores no site da Biblioteca Nacional.