dobradinha d’O Zé

Hoje falarei de dois livros feitos aqui na Entrelinha, lançamentos da OZé Editora.

IMG_3485

“Com quantos pingos se faz uma chuva?”, de Maria Amália Camargo (texto) e Ionit Zilberman (ilustrações).

O livro é um compilado de perguntas que mistura humor, nonsense, filosofia, ciência, matemática, amor, cotidiano e muito mais do universo não só infantil, mas de todos nós. Em comum, entre tantas perguntas “soltas”, há o tom reflexivo. Cada uma delas, nos faz pensar muito além de uma única resposta. Há casos em que se trocarmos o ponto de interrogação por uma vírgula, temos o início de uma história. Portanto, há muitas ideias propostas nesse livro para que o leitor embarque numa viagem individual.

IMG_3487IMG_3488IMG_3489

O texto convida a essa atitude ativa e reflexiva do leitor. Sendo assim, a ilustração e o projeto gráfico (alinhados no conceito com muita conversa e trocas) caminham juntos na mesma direção: a história começa com a leitura tradicional do livro e quando vem a “chuva”, as perguntas caem do céu (como se fossem a própria chuva). O leitor é conduzido, pela direção das ilustrações, a virar o livro. A partir daí, se dá a sugestão de um novo ponto de vista para a leitura.

IMG_3490IMG_3491IMG_3492

No final do livro, a chuva diminui e, por consequência, as perguntas. Na última dupla, quando a chuva parou de vez e a cor do céu já é outra, o livro volta à posição tradicional de leitura. É a experiência da chuva de perguntas que vem como um temporal e passa. Mas, nesse caso, as perguntas continuam frescas na nossa cabeça.

IMG_3494IMG_3497

“Pequenas armaduras”, de Janaina Tokitaka. 

Esse livro de poemas tem como personagens diferentes insetos. Num primeiro momento, pode-se pensar que trata-se de textos que vão se limitar ao mundo reles dos bichos em questão. Mas não. Os insetos parecem ser apenas uma maneira para falarmos, no fundo, de nós mesmos. Uma leitura com um olhar profundo e atento é capaz de perfurar essas pequenas armaduras.

IMG_3499IMG_3501

O projeto gráfico do livro teve a liberdade para duplicar, cortar, destacar partes das ilustrações nas duplas de maneira a conduzir esse olhar para uma segunda camada de interpretação dos poemas.

Como é o caso, por exemplo, da dupla do poema “Cupim”, em que os bichos parecem sair do meio do livro (da lombada) e invadir as páginas, enquanto o poema diz: “É estranho que um inseto / possa arruinar uma casa / no entanto, é assim.”. A imagem do cupim foi duplicada e repetida em diversos ângulos e tamanhos, dando a sensação desagradável da invasão dos cupins no próprio livro.

IMG_3506

Outro exemplo é do poema “Bicho-pau”, em que a partir da repetição da imagem do inseto foram construídos galhos de uma árvore sem, no entanto, existir uma árvore, enquanto o texto diz: “A incômoda semelhança / do corpo que é sem estar / sento e espero o dia / em que tomará o meu lugar.

IMG_3509

IMG_3505IMG_3504IMG_3503

Anúncios

manoel e adriana

“Penso que a harmonia é a arquitetura do nosso silêncio… que quase esconde o nosso júbilo e a nossa dor.” – Manoel de Barros

manoel_blog4

Entre essa frase encontram-se Adriana Lafer e Manoel de Barros. Uma amizade que fez nascer o desejo de realizar um livro em conjunto, cada um com seu olhar: Manoel com o texto e Adriana com as fotos.

Arquitetura do silêncio (Edições de Janeiro) é um projeto que reúne várias pessoas empenhadas em dar ao livro sua contribuição máxima. Edith Derdyk enxergou o livro como um objeto que proporciona uma liberdade de leitura quase infinita. Contribuição essencial para a criação do projeto gráfico, desenvolvido pela Entrelinha. A qualidade gráfica da impressão, assim como as imagens tratadas a dedo por Millard Schisler, estão impecáveis para esse projeto, que contou com um acabamento gráfico diferenciado.1  2a

2

O livro possui uma capa dura com duas lombadas: uma inteiriça e outra desdobrada para acomodar os dois livros separadamente. A capa dura tem também a função de grandes orelhas, nas quais se encontram as duas cartas manuscritas de Manoel para Adriana.

4a3Ao abrir a capa dura, há dois livros encartados, um de cada autor: de um lado, o livro de  fotos e de outro, o de poemas. A foto contínua aplicada em ambas as capas sugere, visualmente, a interação e o diálogo entre os dois autores. Assim como a primeira dupla de cada livro, onde há uma única foto que se extende de um livro para o outro. A partir daí, o leitor segue livre na sua leitura para criar suas próprias conexões.

3a8a9105Para ver mais, visite o site da Entrelinha.

 

 

um abecedário poético

convite_claudio

Alfabeto escalafobético (Jujuba Editora, 2013) será lançado nesse sábado, dia 28/09, a partir das 16h, na Livraria NoveSete. Todos estão convidadíssimos.

O livro de poemas escrito por Claudio Fragata tem projeto gráfico da Entrelinha Design e ilustrações de Raquel Matsushita. Projeto gráfico e ilustrações, nesse livro, se fundem num só. Ambos atuam em parceria com uma paleta de cor que mescla tons fortes e neutros.

A capa é impressa com um pantone laranja fosforescente. Os elementos que a compõe (título, autores, subtítulo) estão localizados no centro, o que faz com que a cor fosforescente, sem interferência, ganhe ainda mais força.

capa

0

Nas grandes orelhas e páginas iniciais foram impressas letras desenhadas, que, juntas, formam uma textura de alfabeto. O ponto de partida para cada ilustração é o próprio desenho da letra. O desenho tipográfico comanda a cena em muitas ilustrações, mas nem sempre é o principal. Abaixo, algumas páginas do livro.

3

4

5

2Para ver mais, visite o site da Entrelinha: www.entrelinha.art.br

Nos vemos no lançamento.

 

 

escalafobético, eu?

divulga1

Alfabeto escalafobético (Jujuba Editora, 2013) é o novo abecedário poético de Claudio Fragata, com ilustrações de Raquel Matsushita. O livro de poemas escalafobéticos tem o projeto gráfico da Entrelinha Design e será lançado no dia 28 de setembro, sábado, a partir das 16h, na Livraria NoveSete (rua França Pinto, 97 – Vila Mariana). Espero vocês por lá para a festa de lançamento!divulga2