Alegria altamente recomendável

Dois livros produzidos aqui na Entrelinha receberam o selo de Altamente recomendável da FNLIJ. Alegria pura!

O enigma do infinito
texto de Jacques Fux e ilustração de Raquel Matsushita
projeto gráfico: Entrelinha Design
Editora Positivo

Mais sobre o livro aqui.

Era uma vez 20 – Pequenas histórias de 10 grandes brasileiras(os) que marcaram o Brasil
texto de Luciana Sandroni e ilustrações de Natalia Calamari e Guilherme Karsten
projeto gráfico: Entrelinha Design
Editora Escarlate

Mais sobre o livro aqui.

Ilustrações com tecido

Aqui conto um pouco sobre o processo de criação das ilustrações com tecido para a coleção Monteiro Lobato, com adaptação de Silvana Salerno e Fernando Nuno, da Editora do Brasil.

A Emília foi feita pela tia Nastácia com retalhos de tecidos. A ideia do retalho, metamorfosear sobras em matéria-prima, me agrada muito e foi o caminho que escolhi para criar as ilustrações. Uma espécie de homenagem à tia Nastácia. Foi, portanto, numa loja de tecidos que montei a paleta de cor. Meus lápis foram os fios, arremates e tesoura. Minhas tintas foram os tecidos variados que, desfiados e cortados, se transformaram em vida. Escolhi tecidos de puro afeto, com estampas, transparências e rendas que nos dão novo significado sendo rios, árvores, personagens.

Paleta de cor para Reinações de Narizinho
Paleta de cor para Viagem ao céu

Escolhi duas paletas de cores diferentes para cada livro. O contexto do livro Viagem ao céu pedia cores mais escuras. Além do mais, os personagens mudaram de roupa de um livro para o outro.

Capa

Cortei os tecidos e montei as ilustrações em tamanho natural. Com a ajuda de uma máscara com o formato do livro, me guiei para seguir as proporções do rafe das ilustrações, feitos anteriormente à lápis. O lettering da capa foi inserido depois, digitalmente.

Capa: o tecido reserva espaço para o texto de quarta capa
Capa de Viagem ao céu: paleta com cores mais escuras

Corte e recorte

Montei os personagens diretamente nos cenários, quando possível. Quando os personagens entram muito pequenos na cena, fiz separadamente para depois diminuí-los no computador e aplicá-los na cena. O corte com a tesoura não comportou os detalhes quando tentei fazer os personagens pequenos.

Cenário e personagem (quando entrou pequeno)
Imagem finalizada
Imagem finalizada

Os tecidos não foram colados para que garantissem o volume e a sombra desejados. Depois de montadas, as ilustrações foram fotografadas, tratadas e finalizadas no computador.

Projeto gráfico

Busquei referências visuais das obras de Lobato, desde o tempo dos chamados “livros escolares”. Eram pequenos livros com histórias que ele escreveu e que, mais tarde, foram reunidos num só volume: Reinações de Narizinho, em 1931. Cito algumas referências que encontramos nesse projeto como, por exemplo, o formato. Nosso livro é maior, mas mantém a mesma  proporção dos livros escolares. Possui captulares desenhadas, que são também narrativas. Nos textos iniciais e finais usei moldura e adornos, próprios do estilo art deco, assim como na tipografia. Tudo isso são referências, no entanto, como o próprio nome diz, referência é o ato de contar. E assim, ganho a liberdade de contar, à minha maneira, o clássico com uma linguagem contemporânea.

Captulares narrativas
Arquivo final inserido na página de rosto

LiteraturaResistência

muro2

Desenho do logotipo LiteraturaResistência foi construído com base no principal conceito do movimento (leia aqui a carta-manifesto), que é de resistência e apoio à cadeia do livro de literatura para crianças e jovens.

O logotipo possui uma explícita referência ao construtivismo russo, um marco na história do design gráfico por contemplar, além da estética, a questão política e social:

Construtivismo russo
“Em oposição à ideia de que a arte seria apenas um elemento da criação humana desvinculado da realidade revolucionária da época, o movimento do construtivismo russo, iniciado em 1919, estabeleceu um novo papel para a arte, que se tornou instrumento de transformação social, ligada às questões políticas e aberta às novas tecnologias industriais na construção de um mundo socialista, com base nos conceitos marxistas.

Screen Shot 2017-09-14 at 11.28.37 AM
Entre os artistas de vanguarda da Revolução Russa incluíam-se, entre outros, Marc Chagall, Wassily Kandinsky, que posteriormente foi professor da Bauhaus, e EI Lissitzky, que trabalhou tanto na Rússia como na Europa.
Sob forte influência do suprematismo – movimento artístico iniciado em 1915, na Rússia –, cujo mentor foi Kasimir Malevich (1878-1935), o construtivismo caracterizou-se pela utilização de elementos geométricos, cores primárias, fotomontagem e tipografia sem serifa.

Screen Shot 2017-09-14 at 11.29.26 AM
Uma das marcas do construtivismo foi combinar palavras e imagens, atuando em conjunto, tanto em páginas impressas quanto nos filmes.
Esse tratamento visual revolucionário das imagens com as palavras foi o princípio do fotojornalismo. Um dos fundadores desse movimento foi o russo Alexander Rodchenko (1891-1956). Extremamente versátil – trabalhava como artista plástico, escultor, fotógrafo e designer gráfico –, utilizou amplamente a fotografia (fotografava em ângulos inusitados) para criar fotomontagens de caráter jornalístico.
O construtivismo trouxe grandes mudanças nas artes plásticas e no design moderno, influenciando fortemente movimentos como o De Stijl e a Bauhaus, que surgiriam em seguida.”
(do livro Fundamentos gráficos para um design consciente, de Raquel Matsushita)

Literatura é esperança

O logotipo é, portanto, um grito pela literatura e outro, pela resistência. Juntos, nesse coro, formam um sólido tijolo. E com esse tijolo seguimos construindo a nossa casa. Nesse sentido, a composição carrega uma boa dose de esperança.

LOGO_alta

Material de divulgação

A Entrelinha desenvolveu também o material de divulgação do evento: cartazes, convites. Tendo a literatura como pano de fundo, a ideia foi trabalhar com o não-dito, ou seja, com o que está por trás das palavras. O fundo das letras se torna, portanto, o espaço de criação literária.

A paleta de cor é composta por um trio luminoso para garantir de imediato o reconhecimento do movimento em todos os meios de divulgação. Além desse trio, foram aplicadas três cores neutras no fundo das letras, com baixo contraste entre si, para acolher, acalmar e equilibrar o barulho das cores luminosas.

cartaz_literatura_Sinaliza

A exposição

Com imenso prazer, convido a participarem da abertura da exposição, quando acontecerá a mesa de conversa “Como resistir?”, no dia 30.9.2017, às 13h30, na livraria NoveSete (rua França Pinto 97 – Vila Mariana – perto do metrô Ana Rosa).

insta_abertura

Artistas que participam da exposição:
Alexandre Rampazo
Aline Abreu
Ana Terra
Anabella López
André Neves
Andréia Vieira
Angelo Abu
Anielizabeth
Camila Carrossine
Ciça Fittipaldi
Cris Eich
Daniel Bueno
Edith Derdyk
Elma
Flávia Bomfim
Gonzalo Cárcamo
Ionit Zilberman
Ivan Zigg
Janaina Tokitaka
Katia Canton
Larissa Ribeiro
Laurabeatriz
Laurent Cardon
Lúcia Hiratsuka
Marcello Araujo
Marilda Castanha
Marilia Pirillo
Marlette Menezes
Mateus Rios
May Shuravel
Rafa Anton
Raquel Matsushita
Renata Bueno
Renato Moriconi
Rosana Urbes
Rosinha
Silvana Rando
Stela Barbieri
Suryara Bernardi