um 2016 cintilante pra todos nós!

Imagem

feliz_2016_2

Anúncios

graffiti tridimensional

IMG_8495

O irmão mais novo do Graffiti Fine Art chegou! Trata-se do segundo livro de arte da coleção Bienal Internacional Graffiti Fine Art (Sesi-SP), com projeto gráfico da Entrelinha Design.

A III Bienal Internacional do Graffiti, que aconteceu no prédio da Bienal neste ano, reuniu grandes artistas da arte urbana. Muitos deles apresentaram uma arte tridimensional, que foi além dos muros e conquistou objetos como ônibus, instalações, bonecos, estruturas tridimensionais criadas exclusivamente para sustentar a arte urbana.

Essa característica da tridimensionalidade do grafite foi o principal norte para a criação do projeto gráfico da capa do livro, que é uma reprodução da obra do coletivo SHN. O grupo montou na exposição uma grande estrutura quadrada ao redor de uma pilastra e a encapou com cartazes lambe-lambe. Ao aproximar as extremidades das grandes orelhas da capa, o leitor monta a reprodução da obra.

IMG_8508

A estrutura da capa do livro passa a ser o próprio elemento criado pelo coletivo e também uma representação de um muro, suporte primeiro da arte urbana. Para a fiel representação da obra não foi aplicado o título e logo da editora na capa mas, sim, na cinta que a envolve.

IMG_8496

IMG_8513

O verso da capa da primeira orelha compõe a imagem do ônibus que se estende até a primeira página do miolo. Já o verso da segunda orelha compõe com a última página do mioloa imagem da menina. Dessa forma, o muro interno que se forma também se torna uma representação tridimensional da arte urbana.

IMG_8497

IMG_8507

Na exposição havia vários bonecos – feitos pelo artista Tinho – espalhados pelos cantos e arredores do espaço. Ao caminhar pelos andares da Bienal era impossível não se deparar com eles. No miolo do livro essa ideia se repete, os bonecos aparecem como personagens, nas aberturas das seções e páginas informativas, como sumário.IMG_8499

IMG_8504 IMG_8506

As páginas são apresentadas em uma diagramação que favorece o aspecto artístico das obras, com ênfase em detalhes quando indispensável. O texto referente a cada participante acompanha sua obra sobre um fundo de cor que varia de acordo com a paleta de cores usada pelo próprio artista.

IMG_8500 IMG_8501 IMG_8502 IMG_8503

IMG_8514

IMG_8515

Veja mais no site da Entrelinha.

a bola do vizinho

Imagine que o seu vizinho tem uma bola e você quer uma maior do que a dele. Então, você aparece com uma bola grande e ele quer uma maior do que a sua. Onde isso vai parar?

A bola do vizinho, de Raquel Matsushita (Editora Positivo) é um livro de imagem que usa a estrutura do próprio livro e muitas cores para contar uma história.

IMG_8486

IMG_8487

A cerca da capa ocupa também as orelhas e transforma a própria estrutura do livro num grande cercado que contém o miolo ao centro.IMG_8488

Na história os personagens dividem-se em dois campos de disputa, com a cerca impressa no centro do livro (costura) como se continuasse lombada adentro. As páginas pares são território da menina e as ímpares, do menino.

IMG_8489 IMG_8490

O fundo das páginas é branco em contraste com o colorido das bolas, para reforçar a invasão de espaço que as bolas ocupam no decorrer da narrativa. O desenho das bolas foi feito com carimbos de números crescentes, de 1 a 9.

IMG_8491 IMG_8492

Para comprar o livro no site da Editora Positivo, clique aqui.

Para saber mais sobre o processo da ilustração, clique aqui.

o livro negro

Quando me descobri negra (Sesi-SP Editora), de Bianca Santana com ilustrações de Mateu Velasco e projeto gráfico da Entrelinha Design reúne relatos sobre a dificuldade de assumir a identidade negra no Brasil. O livro, dividido em três partes — “Do que vivi”, “Do que ouvi” e “Do que pari” — conta histórias que revelam, sem agressividade, o racismo.

Na capa, um forte pantone laranja aplicado ao título garante contraste com o fundo preto e branco da ilustração. A capa sugere a mesma vitalidade com que a autora trata do assunto.

IMG_8485

A cor negra é a essência do projeto gráfico desse livro. Apenas a primeira e a última página do miolo são brancas. Já na segunda página, a cor negra tinge o fundo branco, de maneira quase acidental, assim como no primeiro relato do livro, no qual a história revela a apropriação da autora em relação ao fato de ser negra.

IMG_8481

No decorrer da leitura, os relatos, da autora e de terceiros, se apropriam da identidade negra e as páginas permanecem com fundo negro até a última dupla. Se, no início da leitura a cor escura de fundo chama a atenção por não ser usual – normalmente as páginas dos livros são brancas –, no decorrer das páginas, com os olhos familiarizados a esse padrão de cor, já não faz diferença se o fundo é negro ou branco.

IMG_8482IMG_8484

Na penúltima página do miolo, a tinta negra aparece cobrindo o fundo branco, ao contrário do início do livro, de maneira intencional, em sintonia com o próprio olhar da autora, que, no decorrer dos relatos, se apropria ativamente de sua identidade.

O movimento intencional e ativo da tinta sobre a página branca alerta que o empenho contra o racismo é um tema em construção.

IMG_8483

Veja mais no site da Entrelinha clique aqui.